A justiça manteve a prisão de alejandro Valeiko, indiciado pelo homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, Alejandro Valeiko. Ele passou por audiência de custódia nesta segunda-feira (2), no Fórum Henoch Reis, na Zona Sul de Manaus. Ele está preso desde outubro deste ano.

De acordo com a defesa de Alejandro, foi mantida, também, sua permanência no 19º Distrito Integral de Polícia, onde tem ficado desde sua prisão.

Em entrevista, o advogado Yuri Dantas afirmou que a defesa analisa possibilidades para próximas ações. Estas, devem ser colocadas em prática até o fim desta segunda-feira (2).

Outros suspeitos

Outros cinco suspeitos foram detidos, mas dois deles já tiveram liberdade concedida após a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) entregar o relatório das investigações ao Ministério Público do Amazonas (MPAM).

O crime ocorreu no dia 30 de setembro deste ano. O corpo da vítima foi encontrado horas depois de ela ter participado de uma festa na casa de Alejandro.

Envolvidos

Além de Valeiko, cinco pessoas foram presas suspeitas de terem participação no crime:

  • Elizeu da Paz, indiciado pela polícia pelo crime de homicídio;
  • Mayc Parede, também indiciado por homicídio;
  • Vittorio Del Gatto, indiciado por omissão. Ele chegou a ser preso, mas teve liberdade concedida por problemas de saúde;
  • José Edvandro Martins de Souza Junior, 31 anos, que foi solto nesta sexta-feira (29);
  • Elielton Magno de Menezes Gomes Junior, 22, também solto nesta sexta;

A irmã de Alejandro, Paola Valeiko, também foi indiciada por fraude processual após confirmar que limpou a cena do crime.

Após o indiciamento, cabe ao MP-AM a decisão de oferecer denúncia contra eles na Justiça.

O caso

Flávio Rodrigues dos Santos — Foto: Arquivo pessoal
Flávio Rodrigues dos Santos — Foto: Arquivo pessoal

O homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos ocorreu na noite do dia 29 de setembro após uma festa na casa do enteado do prefeito de Manaus, Alejandro Molina Valeiko. O corpo da vítima foi encontrado no dia seguinte no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus.

A Polícia Civil realizou, no dia 18 de novembro, a reconstituição do crime. Por cerca de cinco horas, os seis suspeitos e investigadores estiveram na casa de Alejandro Valeiko. Em seguida, a polícia afirmou já conhecer o autor do crime.