Neste momento de pandemia, as Organizações da Sociedade Civil (OSCs) que prestam serviços de interesse público ao Estado estão trabalhando no apoio ao Plano Emergencial lançado pelo Governo do Amazonas para População em Situação de Rua (PSR), como estratégia de prevenção à Covid-19. Essas OSCs, que são fomentadas pelo Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Assistência Social (Seas), estão se revezando e desenvolvem atividades tanto em sua área de atuação (abordagem social), como na base de apoio situada na Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira, na Lóris Cordovil, Alvorada, zona centro-oeste e no Centro de Convivência do Idoso (Ceci), situada no bairro de Aparecida, zona sul.

O Plano Emergencial é uma ação articulada entre a equipe da área social do Governo do Amazonas, formada pelas Secretarias de Estado de Assistência Social (Seas), de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (Sejusc) e pelo Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza (FPS); órgãos municipais e pela rede complementar, formada pelas Organizações da Sociedade Civil. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) está participando do plano ajudando na doação de kits de higiene, de limpeza e de colchões.

Na realização do Plano Emergencial, coube à Seas a responsabilidade de fazer reuniões semanais com as equipes; elaborar o mapeamento de serviços; realizar campanhas de arrecadação de kits de higiene, roupas e cestas básicas; disponibilizar espaço físico para acolhimento emergencial; ofertar serviço de higienização e alimentação; articular junto ao município o serviço de vacinação para os idosos, além de realizar o cadastro social da população em situação de rua.

Com a proposta de reforçar as políticas sociais nas ações assistenciais do governo estadual, as OSCs exercem um papel solidário e educativo junto à população, aumentando sua consciência quanto aos problemas sociais e políticos da realidade. São palestras educativas, serviços de orientações sobre as formas de prevenção do novo coronavírus, os riscos da doença e os meios de prevenção, bem como, nas orientações de higiene. Essas entidades também estão ajudando nas doações e distribuição de alimentos e kits de limpeza a essa população, bem como nas doações de jogos de dama, dominó e baralho para atividades lúdicas e educativas.

Parceria importante – A titular das Seas, Márcia Sahdo, disse que desde o início da construção do Plano de Contingência Emergencial Intersetorial para a População em Situação de Rua, as organizações da sociedade civil têm apoiado as ações do Estado e do município por meio da montagem dos kits de higiene, distribuição de alimentação e na cessão de recursos humanos. “O trabalho em parceria com as OSCs é de suma importância pelo trabalho que elas desenvolvem junto à população em situação de rua”, garantiu.

Márcia Sahdo destacou ainda que, em 2019, a Seas repassou para as Oscs o montante de R$ 1.721.348,50 para o serviço especializado em abordagem social, que visa identificar nos territórios a incidência de situações de risco pessoal e social, serviço este destinado também às Pessoas em Situação de Rua, consideradas de extrema vulnerabilidade e que vivenciam diversas violações de direitos, exigindo por parte do Estado maior proteção social.

A secretária de Assistência Social ressaltou ainda que as OSCs também têm apoiado as equipes de saúde na sensibilização desta população sobre os cuidados e prevenção no enfrentamento do contágio da Covid-19. Elas estão atuando nas bases da Arena Amadeu Teixeira e no Ceci Aparecida.

As Organizações da Sociedade Civil envolvidas no plano emergencial direcionado à População em Situação de Rua são: Nova e Eterna Aliança, Vida Alegre, Casa de Sara, Desafio Jovem, presentes a MCVE, Iavisam, Mãos Amigas, Jannel Doyle, Girassol/Nacer, Mais Amor, Casa de Sarah e Pequeno Nazareno.