A empresa Amazon Best anunciou, através das redes sociais na última segunda-feira (20), o retorno da venda de ingressos para arquibancadas especiais e camarotes para o Festival Folclórico de Parintins 2020.

O evento é considerado a maior manifestação cultural da Região Norte e tradicionalmente acontece no mês de junho. Entretanto, o evento foi adiado devido a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Jender Lobato, presidente do Boi Caprichoso, e Fábio Cardoso, presidente do Boi Garantido, confiram a realização do festival no dia 10 de julho em entrevista coletiva. Segundo eles, o evento foi remarcado para os dias 6,7 e 8 de novembro.

Em comunicado, a Amazon Best informou que a reabertura da venda de ingressos começou nesta terça-feira (21), de 09h às 17h. Além dos ingressos, a empresa “disponibilizou camarotes, hospedagens e outros serviços turísticos relacionados ao evento”. As vendas são realizadas em Manaus e Parintins.

A empresa é responsável pelos ingressos do festival desde 2017 – Foto: Reprodução/Facebook

Confirmação

O Governo do Amazonas, principal parceiro do Festival Folclórico de Parintins, não confirmou a nova data de forma oficial. Em nota, o governador Wilson Lima (PSC) só vai se pronunciar sobre o assunto futuramente.

“O Governo do Estado do Amazonas só vai se pronunciar sobre a realização do Festival de Parintins após receber parecer das autoridades sanitárias, as únicas capazes de avaliar os riscos da exposição da população à Covid-19 em eventos do porte da festa popular”, reitera.

Wilson reconheceu a importância do Festival de Parintins, no entanto, falou que “não é possível que tal decisão seja tomada sem o embasamento científico necessário que assegure o maior bem que todos temos: a vida”.

O Boi Garantido é o atual campeão do festival – Foto: Wigder Frota

Segundo a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), o Amazonas totaliza, até o momento, 91.389 casos confirmados por Covid-19, sendo 32.259 em Manaus, 59.130 no interior, e 3.146 mortes em decorrência do vírus. Em contrapartida, 76.724 pacientes se recuperaram da doença.

Parintins soma 3.116 casos confirmados, 98 óbitos 234 pessoas em tratamento, 23 pacientes internados e 2.784 pessoas recuperadas.

Ação do MPAM

O Ministério Público do Amazonas (MPAM) iniciou no dia 17 de julho um Procedimento Administrativo (PA) com o objetivo de acompanhar a possível realização do festival.

A ação é fruto de uma parceria com as promotorias de Justiça de Parintins.

O documento oficial pediu que Jender Lobato (Caprichoso) e Fábio Cardoso (Garantido), a Secretaria Municipal de Cultura de Parintins, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas (SEC) e a Amazon Best falem sobre a nova data do festival.

O festival representa a maior arrecadação de Parintins – Foto: João Paulo Castro/Portal Tucumã

Foi estabelecido um prazo de 10 dias para que os órgãos citados no processo prestem esclarecimentos sobre o evento.

Opiniões

A reabertura da venda de ingressos gerou uma intensa repercussão nas redes sociais. O universitário Daniel Barbosa criticou a empresa.

“É uma imensa Vergonha. Vocês venderem ingressos para um festival que nem confirmação existe. Uma vergonha vocês venderem ingressos em meio a tantas mortes no próprio estado Amazonas e no Brasil. Não existe nenhuma comprovação científica que consiga fazer com que aconteça um festival do porte de Parintins”, comentou.

Por outro lado, o maquiador Leo Queiroz falou de pessoas que frequentam bares e praias. “Acho engraçado. Quando tem gente se aglomerando em bar, pagode, praia, balneário e na casa dos outros, ninguém fala nada. Eu digo e repito, ninguém obrigado a comprar, vai quem quer”, relatou.