Nesta sexta, 19, a direção do Hospital e Pronto Socorro João Lúcio denunciou à polícia a Cooperativa Sociedade dos Enfermeiros de Urgência e Emergência do Amazonas (Coopenure) e seus funcionários.

Ontem (19), o Portal Beiradão recebeu prints de conversas em aplicativos de trocas de mensagens onde funcionários da cooperativa eram orientados a apagar dados de pacientes, arrancar identificações de pastas com prontuários e misturar arquivos com o intuito de boicotar os enfermeiros da nova empresa que atuará no hospital, a Segeam (Serviços de Enfermagem e Gestão em Saúde). Uma das imagens foi postada nas redes sociais do Beiradão, nela um enfermeiro dizia aos colegas: “apaga tudo”.

No Boletim de Ocorrência (B.O.), o diretor da unidade, Sílvio Romano, alegou que a tentativa de boicote por parte dos enfermeiros da Coopenure colocou em risco a vida dos pacientes.

Em uma nota divulgada mais cedo, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) afirmou que funcionários da Coopenure tentaram colocar mães de crianças internadas no hospital e pronto-socorro da Criança da Zona Leste contra a direção da unidade, para provocar tumulto.

A Susam informou que vai levar o caso à Justiça e que denunciará a Coopenure no Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

A briga entre funcionários das duas cooperativas é resultado de uma disputa de licitação que se arrastou por dois anos, na qual a Segeam venceu outras 10 empresas, entre elas a Coopenure, que ainda tentou suspender o pregão licitatório, sem sucesso.

Atuando no Estado desde 2014, a Segeam presta serviço em outras seis unidades de saúde.

(MS)


Leia mais: