Um pai e sua filha na cidade de Xuzhou, na província chinesa de Jiangsu, se transformaram nos últimos casos conhecidos até agora de um grupo que não para de aumentar: o de pacientes contaminados pelo novo coronavírus que se recuperam para, poucos dias ou semanas depois, voltar a dar positivo nos testes. Um fenômeno que preocupa os médicos, pois pode fazer a Covid-19, a doença causada pelo vírus, mais difícil de erradicar.

Como publicou a imprensa estatal chinesa, o pai, o primeiro caso confirmado nessa cidade, havia recebido alta do hospital há duas semanas, mas em um novo teste voltou a dar positivo como portador do vírus. Sua filha pequena, que também havia sido declarada curada, teve o mesmo resultado. Os dois voltaram a ser internados.

Dois dias antes, o governo local da prefeitura de Osaka, no Japão, confirmou outro caso semelhante: o de uma guia turística de quarenta anos que havia ficado doente em janeiro e recebido alta no começo de fevereiro. Voltou a mostrar sintomas, como tosse seca e dor no peito, e em 26 de fevereiro deu positivo nos testes. A paciente não havia voltado a trabalhar, permaneceu em sua casa, não manteve contato próximo com ninguém e sempre ao sair havia usado máscara.

Em toda a China foram detectados outros casos de novos positivos entre pessoas declaradas curadas anteriormente. Um estudo elaborado entre pacientes que saíram do hospital na província de Cantão, no sudeste, mostrou que 14% dos casos davam positivo novamente, como informou no terça-feira a revista Caixin.

A preocupação por possíveis reinfecções levou as autoridades de Wuhan, a cidade em que a epidemia se originou, a ordenar que os doentes de Covid-19 que recebam alta do hospital tenham que passar por uma quarentena de catorze dias em um local especialmente habilitado antes de voltar à vida normal.

Os especialistas veem várias possíveis explicações no fato de um infectado que recebeu alta ter uma recaída. Uma possibilidade é que tenha ficado no corpo uma pequena quantidade de vírus, insuficiente para dar positivo nos testes, mas o bastante para se reproduzir e voltar a dar positivo se o organismo não tiver desenvolvido anticorpos em quantidades adequadas para combatê-la. Também é possível que essa falta de anticorpos permita uma segunda infecção de fontes externas.

“É algo que ocorreu em surtos de outras doenças”, lembra a professora de Epidemiologia Estatística Christl Donnelly, do Imperial College London e da Universidade Oxford. No caso da epidemia de ebola na África Ocidental entre 2013 e 2016 ―dá o exemplo―, ocorreram casos em que, quando se repetiam os testes antes de dar a alta definitiva, se registravam recaídas. “Também é possível que aconteça como no caso do herpes zoster, consequência de uma infecção anterior com o vírus da varicela, em que vírus fica latente em alguma parte do corpo”, durante anos.

Veja a cobertura completa sobre o avanço do coronavírus no AM, no Brasil e no mundo.

A questão nesses casos de positivo após a cura, diz Donnelly, é que “não sabemos se esses afetados podem infectar outras pessoas posteriormente. Se acontecer, faria com que os casos aparentemente recuperados pudessem ser uma fonte potencial de infecção, o que seria algo preocupante. Precisamos esperar e ver o que acontece com essas pessoas, e acompanhar atentamente os dados clínicos que surgirem”.

A Comissão Nacional de Saúde da China declarou na sexta-feira que os primeiros exames a esses pacientes demonstraram que não são infecciosos. Outra possibilidade trabalhada é que, pelo menos em alguns casos, os testes para dar alta não tenham sido feitos corretamente. E que tenham sido feitos corretamente e tenham dado falsos negativos: o doutor Li Wenliang, que tentou dar o alerta no começo da crise e que morreu de Covid-19 em 6 de fevereiro, deu negativo várias vezes antes de sua infecção ser confirmada.

Em declarações ao Diário do Povo, o jornal do Partido Comunista da China, o vice-diretor do centro de doenças infecciosas do Hospital da China Ocidental afirmou que inicialmente os médicos tiravam amostras do nariz e da garganta para determinar se um paciente era portador do coronavírus. Outros testes mais recentes encontraram vestígios do patógeno nos pulmões.

No Japão, os critérios para dar alta a um doente de Covid-19 preveem que o paciente dê negativo em um teste efetuado 48 horas depois de que tenha deixado de apresentar sintomas graves, e que o resultado seja o mesmo em um segundo exame doze horas depois.

Na China, os pacientes devem dar negativo nos testes, não ter sintomas e seus pulmões não devem apresentar anormalidades em uma imagem de tomografia computadorizada.

Em uma entrevista coletiva nessa semana, o vice-diretor do Centro para o Controle e Prevenção de doenças em Cantão, Song Tie, afirmou que nenhum dos pacientes infectados pela segunda vez parece ter contaminado as pessoas ao seu redor. “Pelo que entendemos, após alguém ser infectado por esse tipo de vírus, produz anticorpos, e após a produção desses anticorpos, não será contagioso”.

Até agora, dos mais de 78.000 infectados pelo coronavírus na China desde o começo da crise há dois meses, já receberam alta 36.117 doentes, quase a metade.