As ações de controle e combate ao Coronavírus têm exigido da sociedade em geral sacrifícios nunca antes imaginados. Na Ilha Tupinambarana, por exemplo, está havendo toque de recolher por conta da pandemia. A situação ficou mais assustadora ainda quando morreu a primeira vítima do Covid-19 no Amazonas. O empresário de 39 anos era morador de Parintins. Sua esposa também foi infectada e está em quarentena na cidade.

A mudança na rotina para evitar a proliferação do Coronavírus afeta o município, sua economia, sua tranqüilidade e pode chegar ao Festival Folclórico de Parintins, que – como fala o caboclo – desde que eu me entendo por gente , acontece em junho, o mês de São João. Para alguns, a disputa entre os bois Garantido e Caprichoso é além de festejo cultural, um ato devocional ao santo junino.

Antigamente, a batalha no Bumbódromo ocorria tradicionalmente nos dias 28, 29 e 30 de junho e depois mudou para o último fim de semana do mês.

Há uma relutância das autoridades municipais e de uma ala dos bois, mas entre integrantes do Governo do Amazonas, patrocinadores e da rede de TV que detém os direitos de imagem do evento, a mudança da data é quase certa. O evento deve acontecer em Setembro, o mês preferido, entre outras propostas de datas.

Para quem defende a idéia, seria a melhor decisão afim de evitar o pior: o cancelamento da grande festa em 2020. Isso sim seria, de certa forma, uma catástrofe na economia da cidade.

Empresários de todos os ramos investem pesado no período do evento. Há quem diga que a população da cidade dobre na semana do festival. Já estava difícil encontrar disponíveis até mesmo as casas de temporada, que são alugadas a peso de ouro. Os bois já estavam iniciando o período de ensaios quando o país foi atingido pela pandemia. Os ingressos para o Bumbódromo já estavam esgotados.

As medidas emergenciais obrigaram o isolamento social e consequentemente levou à paralisação das atividades de galpão, corpos de dança e músicos dos bois. Não pode aglomerar pessoas! E espetáculos gigantescos como o de Parintins não se fazem sem milhares de pessoas atuando nos bastidores. Multidão maior só as torcidas, os visitantes que aportam na ilha.

Uma reunião entre Garantido e Caprichoso, a Prefeitura de Parintins e o Governo do Amazonas, entre outros, deve selar o destino do festival para 2020, um ano incomum, em que tudo mudou, quase que do nada. Esse encontro deve acontecer entre amanhã e a próxima segunda (30).

Até lá, as torcidas esperam ansiosas pelas decisões tomadas. Alguns já conformados com a quebra de tradição e estarão lá no dois pra lá e dois pra cá, seja na Semana da Pátria, seja no Natal. Para eles, não importa, o importante é brincar de boi.

Só uma decisão não é aceitável para o povo de Parintins: o cancelamento da ópera da floresta. “Tu é leso é, mano!? Isso nem pensar, parente”.


Por: Michael Stéfanni

Presidente do Instituto Numiá de Desenvolvimento Cultural da Amazônia, filho e neto de parintinenses, comunicador e empreendedor cultural, sócio da KRN Promo Mídia e Entretenimento