O Ministério Público do Amazonas, representado pela 2ª Promotoria de Justiça de Iranduba, apresentou parecer favorável ao pedido de prisão, feito pela autoridade policial, em desfavor de Givancir Oliveira. O parecer, assinado pelo Promotor de Justiça Leonardo Abnader foi apresentado no início da tarde desta segunda-feira (2/03).

Givancir Oliveira é apontado como autor do assassinato de Bruno de Freitas Guimarães e da tentativa de homicídio contra uma ex-funcionária, o presidente dos rodoviários do Amazonas, teve sua prisão decretada pela Justiça na manhã desta segunda-feira (2).

Segundo investigação, na noite do último sábado (29), no município de Iranduba, Bruno teria levado o primo Delisson, ex-funcionário de Givancir, para receber o pagamento referente a uma rescisão – Delisson também é conhecida como a travesti, Thelci. Ao chegarem na casa, patrão e ex-funcionária discutiram e Thelci foi embora na moto de Bruno.

Neste momento, Givancir e outros três homens não identificados, começaram a persegui-los em um carro. Thelci afirmou que o ex-patrão sacou uma arma e atirou contra ela e o primo que estavam na motocicleta. Bruno foi atingido e acabou morrendo no local. A ex-funcionária, Thelci, teve ferimentos e foi encaminhada para o hospital 28 de Agosto.

Durante uma entrevista ao vivo, no Jornal do Amazonas 1, da emissora Rede Amazônica, afiliada da Rede Globo, a mãe de Bruno relatou que Thelci e Givancir tinham um caso. No receio de ser exposto, antes da ação, o patrão teria pedido o celular da ex-funcionária, mas ela teria se negado a dar.

O sindicalista segue foragido e segundo seu advogado deve se apresentar nas próximas horas.

As informações são do Expresso AM.

Viu? Aqui a sua marca é vista. Anuncie no Portal Beiradão.