Uma cena inesperada marcou uma audiência pública virtual convocada pela Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente da Câmara do Rio, na tarde desta sexta-feira. Enquanto os vereadores Leonel Brizola (PSOL), Babá (PSOL) e Célio Lupparelli (DEM) discutiam sobre uma das pautas, a câmera de uma representante popular presente na reunião, ainda ligada, começou captá-la num momento íntimo com seu parceiro ao fundo. O registro foi antecipado pela coluna de Berenice Seara .

Apesar da performance explícita de sexo, no entanto, os parlamentares e as demais pessoas presentes na chamada de vídeo não interromperam a sessão nem por um segundo. Nenhum deles esboçou também qualquer reação expressiva. Após a relação íntima, o casal ainda sentou de frente para a câmera por alguns segundos. Ao GLOBO, o vereador Célio Lupparelli afirmou que, por estar na chamada pelo celular, não presenciou a cena.

—  Eu, sinceramente, não vi. Estava pelo celular e a minha visualização só alcançava a apresentação sobre orçamento (os parlamentares discutiam a garantia da alimentação dos alunos da rede pública) .

Lupparelli afirmou que se surpreendeu quando ficou sabendo sobre o fato, apenas horas depois.

— Achei muito estranho esse fato — concluiu.

Presidente da comissão, Leonel Brizola (PSOL) minimizou o fato, e lamentou que o incidente tenha ganho mais destaque na mídia que a discussão sobre as merendas dos alunos de escolas públicas.

— Lamento que a imprensa tenha dado mais destaque a indiscrição involuntária que ocorreu durante a audiência e não a falta de alimento das crianças e adolescentes. Assim que percebemos o episódio, imediatamente pedimos para a TV Câmara, que é quem controla o áudio e o vídeo dos participantes para a imediata retirada do ar. Nós vereadores e demais participantes não temos qualquer ingerência de corte, edição, montagem dos vídeos na plataforma Zoom — disse. — Reafirmo a importância da audiência pública em demonstrar a incompetência da prefeitura que tem recursos, mas não consegue fazer com que os direitos das crianças sejam respeitados.

O vereador Babá, por sua vez, também disse que não viu o que aconteceu, por estar focado no debate. Ele acredita que tenha sido um descuido por parte da pessoa, mas celebra que o incidente inusitado não tenha atrapalhado a audiência, que durou horas, e tratou de temas importantes.

— Eu fui tomar conhecimento disso depois que encerrou a discussão. Eu particularmente não percebi nada, como outros vereadores que também estavam ali presentes. Foi algo inusitado e de descuido  de quem tava ali naquela casa. Se esqueceu de desligar o vídeo. Mas eu acho que não atrapalhou a importância que a reunião teve — afirmou o parlamentar.

O vereador do PSOL ressaltou o cuidado que deve-se ter em sessões virtuais, e comentou sobre o que foi discutido na audiência.

— Os quadros (da plataforma Zoom, utilizada nas videoconferências) são muito pequenos, então teria que olhar muito atentamente pra ver. Deve-se tomar muito cuidado nessas sessões virtuais. Eu estava focado nos debates: vários personagens importantes e companheiros da Fiocruz foram explanar problemas contra o retorno das escolas, mães de alunos foram fazer um amplo debate sobre não aceitar levar seus filhos às escolas, falamos sobre as merendeiras, que trabalham em péssimas condições nas cozinhas das escolas… foi um debate super importante no fim das contas.

Procurada, a Câmara do Rio ainda não se manifestou sobre o incidente.