Alejandro Molina Valeiko (Foto: Reprodução)

A defesa de Alejandro Valeiko entrou com pedido de Habeas Corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) nessa quinta-feira (7) pedindo a revogação da prisão preventiva do enteado do prefeito de Manaus, Arthur Neto.

Valeiko está preso na sede do 19º Distrito Integrado de Polícia por decisão do desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos, do Tribunal de Justiça do AM (TJ-AM). Ele é apontado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequetros (DEHS) como um dos seis envolvidos no homicídio de Flávio Rodrigues, encontrado morto em um terreno no Tarumã, Zona Oeste da capital, após uma festa na casa de Valeiko, no dia 30 de setembro.

De acordo com o advogado Yuri Dantas, o pedido inclui  possíveis erros encontrados pela defesa na série de decisões judiciais que levaram a prisão de Alejandro.  “No pedido feito ao STJ apontamos que não há necessidade de mantê-lo preso. Não há mais ato investigatório contra o nosso cliente”, disse. O advogado também afirma que a prisão causou ‘constrangimento ilegal’, já que Alejandro possui dependência química.

O caso

Flávio Rodrigues dos Santos desapareceu no dia 29 de outubro, horas após participar de uma festa na casa de Alejandro Valeiko. O corpo do engenheiro foi encontrado em um terreno no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, próximo à residência do filho da primeira-dama.

Policiais civis da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), bem como peritos do Instituto de Criminalística (IC) e Instituto Médico Legal (IML) estiveram no local onde o corpo foi encontrado.