Foto: Reprodução/Internet

Católicos em todo o mundo participam, nesta Sexta-Feira Santa (19), da tradicional Celebração da Paixão de Jesus Cristo. Em Manaus, na Catedral Metropolitana, duas celebrações marcam este dia: a procissão da Via Sacra e a procissão do Senhor Morto.

Pela manhã, às 09h, acontece a Via Sacra, que sai da Catedral (Matriz), no Centro, até o Santuário de Fátima, no bairro Praça 14.

Dia de reflexão e de rememorar a morte de Jesus Cristo, a programação continua pelo período da tarde, às 15h, com a Celebração da Paixão, seguida da Meditação das Sete Dores de Nossa Senhora, na Catedral.

Às 16h, simultaneamente, no Santuário de Fátima, na Praça 14, sai a procissão do Senhor Morto. A procissão percorre as ruas do Centro até chegar a Catedral.

O sentido da Sexta-Feira Santa

Para os cristãos, a Sexta-Feira Santa é um dia de silêncio e recolhimento porque na ocasião se recorda o drama do sofrimento e da morte injusta e violenta do redentor. É o único dia em que não se celebra a missa em nenhum lugar do mundo, há apenas a celebração da paixão.

Na sexta-feira, três dias antes do Domingo da Ressurreição, aconteceu a morte de Jesus de Nazaré, após ser condenado à crucificação. A catequese da Igreja Católica ensina que todo o ministério de Jesus na terra culminou no dia de sua morte. Ele cumpriu o seu objetivo: pagar peles pecados de toda a humanidade.

Segundo a Bíblia, mesmo que Pilatos, governador da Galileia, tenha reconhecido a inocência de Jesus, entregou-o para ser crucificado para apaziguar a multidão (Mateus 27, 24-26).

Condenado, obrigado a carregar a cruz, sendo açoitado e humilhado, Jesus foi levado até um monte chamado Gólgota. Ele foi crucificado com mais dois ladrões, e às três da tarde, dessa sexta-feira, ele deu um brado e morreu.

Nesse momento, segundo o livro de Marcos, capítulo 15, versículos de 37 a 39, houve um terremoto, o véu do templo foi rasgado em duas partes. “O centurião que estava diante de Jesus, ao ver que ele tinha expirado assim, disse: “Este homem era realmente o Filho de Deus”.

(Michael Stéfanni – Portal Beiradão)