Caixões são enterrados em valas comuns em cemitério público de Manaus — Foto: Carolina Diniz/G1 AM

Com 24 sepultamentos realizados nesse domingo (14), Manaus registrou o menor índice de enterros em um único dia durante a pandemia do novo coronavírus. A capital amazonense chegou a registrar mortes 108% acima da média histórica e sofreu um colapso funerário por conta dos casos de covid-19, com enterro de caixões empilhados e em valas comuns no maior cemitério público da cidade.

No Amazonas, já foram confirmados mais de 56 mil casos de covid-19, com 2,4 mil mortes. Deste total, mais de 23 mil infectados são de Manaus, onde a doença matou mais de 1,6 mil pessoas. Atualmente, a média de enterros na capital está próximo ao que era registrado antes da pandemia. Com a redução nos números, a Prefeitura anunciou a encerramento das atividades do hospital de campanha aberto para atender casos da doença.

Segundo a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), no domingo foram 21 sepultamentos e uma cremação nos espaços gerenciados pelo órgão, sendo um óbito oriundo do interior do Estado. Nos particulares, foram apenas dois enterros.

O sistema público também registrou sete óbitos em domicílio e quatro famílias optaram pelo uso do serviço SOS Funeral, gerenciado pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc). Entre as causas de morte, três pessoas tiveram no atestado a confirmação para covid-19, outras três foram registradas como causa desconhecida e duas morreram por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e também uma por parada cardiorrespiratória.

Antes dos 24 sepultamentos registrados no domingo, os menores índices durante a pandemia haviam sido contabilizados nos dias 1º de abril, 7 de junho e 8 de junho, com 32, 31 e 32 sepultamentos, respectivamente, nos cemitérios públicos e privados de Manaus.

Em janeiro, fevereiro e março, a média diária de sepultamentos nos cemitérios públicos de Manaus foi de 29, 27 e 28, respectivamente, acima do total registrado no último domingo. Em abril, com a explosão de mortes por covid-19, essa média subiu para 81. No mês seguinte a média diminuiu para 61 enterros.

A tendência de queda registrada na segunda quinzena de maio, conforme a prefeitura, está se mantendo em junho. Até o dia 14, o sistema público registrou 459 sepultamentos e cremações, uma média de 32 por dia.