O Grupo Globo tem um novo modelo de gestão de negócios, o que inclui a reformulação e o enxugamento de seus quadros de profissionais. Em setembro de 2018, a companhia anunciou o projeto “Uma Só Globo” e contratou a consultoria Accenture para auxiliar no processo de unificação de todas as suas empresas: TV Globo, Globosat, Globo.com, DGCorp e Som Livre em um prazo de três anos.

Mais recentemente, a reformulação começou a afetar o casting de artistas da Globo. Na primeira semana de junho, a emissora dispensou a atriz Vera Fischer após 43 anos de empresa, o ator e roteirista Miguel Falabella após 39 anos na emissora e o ator José de Abreu após 40 anos.

Além desses, outros atores do primeiro escalão deixaram de ter contrato fixo com a emissora, como Malu Mader, Carolina Ferraz, Malvino Salvador, Bianca Bin e Bruno Gagliasso – este último, que optou por não renovar seu contrato na emissora e assinou com a Netflix no fim do ano passado, mas continua disponível na Globoplay.

No fim de março, o ator Stenio Garcia também afirmou que não integra mais o casting de atores da Globo, e que foi pego de surpresa com a demissão. O impasse do ator com a Globo já transcorria há alguns meses. Recentemente, a emissora teria dado um ultimato para que Garcia fosse escalado para alguma produção da casa até o final do mês de março.

Conforme os acordos vão vencendo, as renegociações ou não vão aumentando a fila de atores sem compromisso exclusivo com a emissora. Entre os autores, além de Aguinaldo Silva, que deixa a emissora, há o caso de Benedito Ruy Barbosa, cujo contrato já venceu, mas que ainda pode ser alvo de um novo acordo.

Quem também deixou dez vez a emissora foi Bruna Marquezine, que vinha cumprindo uma espécie de quarentena e agora está em condições de aceitar propostas de outros canais e plataformas.