O enteado do prefeito de Manaus, Alejandro Molina Valeiko, foi interrogado nesta terça-feira (1º) sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, de 41 anos. Segundo a polícia, a vítima participava de uma festa na casa do filho da primeira-dama – em um condomínio no bairro Ponta Negra, na Zona Oeste da capital – quando um homem invadiu o local, agrediu duas pessoas e sequestrou Flávio.

Segundo informações de testemunhas à polícia, homens teriam invadido o condomínio e sequestrado a vítima. Durante coletiva de imprensa nesta terça, o titular do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Aldeney Goes, disse que “não houve invasão de criminosos”.

Outras dez pessoas foram questionadas, como um dos homens agredidos, que recebeu facadas nas costas. A Polícia Civil informou que outras perícias foram feiras na casa. Além disso, a corporação informou que as imagens de segurança do local têm sido recuperadas para auxiliarem nas investigações.

O corpo da vítima foi encontrado no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, na tarde desta segunda-feira (30).

Em nota, Arthur Virgílio inocentou o enteado e afirmou que, assim como Flávio, Alejandro é vítima do tráfico de drogas em Manaus. Naquela madrugada, dois homens encapuzados teriam entrado na casa para cobrar dinheiro a um dos presentes.

“Um dos meninos se trancou no banheiro e Alejandro recebeu golpe de coronha que lhe abriu a cabeça. Levaram o que queriam: o rapaz Flavio, a quem “cobravam” pagamento”, diz a nota.

O prefeito acredita que os autores do homicídio tentam incriminar seu enteado com intenção de atingi-lo.

“Minha esposa entrou em desespero, quando soube que gente sem caráter tentava fazer crer que seu filho teria matado Flávio. Alejandro saiu ferido pela truculência dos invasores e, quando o vimos, seu estado era lamentável. Chegaram a fazer transmissões ao vivo, inventando que Alejandro estaria, naquele momento, no Distrito Policial, onde, bem cedo, ele já prestara depoimento”, continuou.

LEIA TAMBÉM: