Manaus – Ao completar 100 dias à frente do Governo do Amazonas, Wilson Lima  realizou na manhã desta quarta-feira (10), coletiva para apresentar o balanço dos três primeiros meses. Segundo palavras do próprio governador foram dias intensos, em que “não houve tempo para sossego ou lua de mel”.

Logo na abertura da coletiva, Wilson chamou atenção para os ataques da oposição, iniciados na campanha e prosseguidos após a posse. “Quando assumi o governo me disseram para aproveitar o período de lua de mel. Não existiu isso. O mesmo grupo que me atacou durante a campanha, continua me atacando. Uma coisa é fazer críticas, que são importantes para o trabalho ser melhorado. O que não se pode aceitar são os ataques levianos. Enquanto trabalhamos para melhorar o estado, há o grupo que trabalha para o quanto pior, melhor. Qual a contribuição que essas pessoas dão  para melhorar o Amazonas?”, perguntou. 

O governador falou sobre ações que trouxeram breve fôlego para os pilares da administração pública, no âmbito da segurança, educação, emprego e renda. Em relação à saúde, destacou “problemas crônicos” que atormentam a administração pública do Amazonas há anos. 

O Governador lembrou que assumiu o poder com um déficit orçamentário de R$ 1,7 bilhão, sendo R$ 800 milhões apenas com folha de pagamento. “A dívida herdada da administração anterior foi de R$ 1,5 bilhão, sendo que deste valor  R$ 1,1 bilhão era somente na saúde”. 

Entre as medidas tomadas para reverter o quadro econômico, o governador destacou o contingenciamento de 20% do orçamento, que rendeu economia de R$ 250 milhões por ano, além de outros cortes e redução de custos que resultou em uma economia de R$ 82 milhões em apenas 100 dias. 

Saúde

Na saúde, Wilson destacou o crescimento do estoque da Central de Medicamentos, de 12% para 38%, além disso, disse ainda que nos prontos socorros o abastecimento é de 70%. “Pagamentos de fornecedores da saúde estão em dia. Não há nenhuma empresa ou cooperativa com salário atrasado, um compromisso que estamos honrando”, frisou Lima.  

Outra ponto destacado pelo governador foi ampliação de mais 20 leitos de UTI no HPS Delphina Aziz, além da ampliação de 145 leitos entre novos e reativados, e disse ainda que até esse mês de abril. “O Amazonas vai zerar a fila de 400 pessoas a espera de uma cirurgia de colostomia, com até 70 cirurgias à serem realizadas por no dia Delphina Aziz. Não será mutirão de cirurgia, mas um serviço permanente”, disse. 

Educação

Na educação, Lima revelou entre as ações, a reforma de 218 escolas e na segurança, a queda de 38% no número de latrocínios. Ele destacou que deve realizar concurso público para ter mais policiais na rua a partir do segundo semestre deste ano, para cobrir o déficit de policiais na rua. Para ele, ainda há insegurança, mas o Governo irá primeiro equilibrar as contas e depois realizar contratações de pessoal, com investimentos em tecnologia.   

Em coletiva, Wilson disse que administração já teve vitórias
Em coletiva, Wilson disse que administração já teve vitórias | Foto: Marcely Gomes

Greve

Sobre a pauta dos professores do Estado, cobrada pelos jornalistas, em que os docentes aprovaram indicativo de greve para a próxima segunda-feira (15), Wilson Lima respondeu que a lei de responsabilidade fiscal não permite que haja um aumento maior que 3,93%. “Vamos honrar a data base, mas eu não posso dar nenhum percentual a mais por causa da legislação, que impede, pois existe a lei de responsabilidade fiscal. Se eu der 1% a mais, vou responder na justiça por isso. Estamos conversando com a categoria e agindo de forma responsável”, explicou Lima. 

Entre outros assuntos Wilson Lima disse que pretende que em 2019 venha o equilíbrio fiscal para zerar as contas em 2020 e 2021 e então realizar grandes investimentos. “Nós tivemos vitórias em todas as áreas, mas nesse momento o que precisamos é encontrar o equilíbrio fiscal e garantir que os serviços continuem funcionando”, completou.

(Em Tempo)