FOTO: Diego Peres/Secom

O Governo do Amazonas voltou a decretar o fechamento de bares e balneários em Manaus. A medida foi anunciada nesta quinta-feira (24) e ocorre, segundo o governador Wilson Lima, após aumento no número de internações nas unidades de saúde. As restrições devem durar 30 dias, a partir desta sexta (25). Manaus tem 48.389 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia e começou a flexibilizar o isolamento social em junho. As aulas presenciais nas escolas públicas estão mantidas.

De acordo com governo, há uma tendência de aumento de casos de Covid-19, observada nas últimas semanas devido, principalmente, a aglomerações, segundo a vigilância epidemiológica.

O estado do Amazonas contabilizou 9 mortes por dia na última semana — a variação foi de 39% em relação à média de 14 dias anteriores.

“Estamos tomando hoje medidas restritivas e fechamento de estabelecimentos para priorizar o que é importante. Não vou deixar balada aberta e escola fechada”, disse o governador em entrevista coletiva nesta quinta-feira.
A medida, que ainda será publicada no Diário Oficial do Estado, vai suspender funcionamento de bares que não tenham funcionamento primário como restaurantes. Lojas de conveniência e restaurantes poderão funcionar até as 22h.

Também fica suspenso o funcionamento de:

  • praias
  • balneários
  • casas de show
  • flutuantes

Bares, balneários e restaurantes de Manaus já estavam reabertos ao público desde de junho, quando teve início o 4º ciclo de reabertura do comércio.

Aumento de casos

No dia 11,o governo havia divulgado uma desaceleração na queda de casos. A diretora-presidente da Fundação de Vigilância e Saúde (FVS-AM), Rosemary Pinto, afirmou que as aglomerações são os principais vetores de transmissão identificados pelo órgão nas últimas semanas.

De acordo com ela, na ocasião, havia “um pequeno crescimento no número de casos atendidos em unidades privadas de saúde, principalmente em pessoas das classes A e B”.

Até esta quarta-feira (24), o número de pacientes internados com Covid-19 era de 298, sendo 199 em leitos clínicos (82 na rede privada e 117 na rede pública), 96 em UTI (45 na rede privada e 51 na rede pública) e três em sala vermelha, estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos.

A taxa de ocupação na rede privada é de 65,17% em leitos de UTI e 64,74% em leitos clínicos. Já na rede pública, a ocupação de leitos UTI chega 72 % e 40,36% em leitos clínicos.

“Temos uma tendência de casos da covid, o que nos acende um alerta”, afirmou o governador.