Após o Amazonas começar a registrar uma redução no número de internações nas unidades de saúde e a estabilização da curva epidemiológica dos casos de covid-19, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) anunciou que vai retirar dos hospitais as câmaras frigoríficas – instaladas para aumentar a capacidade de armazenamento de corpos durante a pandemia.

O governo também anunciou que encerrou as atividades das tendas de triagem instaladas em hospitais da capital nesta sexta-feira (19). Assim como no caso das câmaras, os centro de triagem foram instalado de forma emergencial para desafogar o sistema de saúde local que chegou a ficar à beira de um colapso.

Neste sábado (19), o Amazonas ultrapassou a marca de 62 mil casos confirmados da doença, com mais de 2,6 mil mortes. Ainda assim, uma análise da curva de casos semanais aponta para uma redução gradual, com queda por duas semanas seguidas.

As câmaras frigoríficas tinham sido instaladas nos Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, 28 de Agosto e Platão Araújo, além dos hospitais de referência Delphina Aziz e de Combate à Covid-19. Uma câmara também foi instalada no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), para o acondicionamento de corpos de pacientes que vieram a óbito nessas unidades.

As tendas foram instaladas no 28 de Agosto, João Lúcio e Platão Araújo. O serviço era feito para o primeiro atendimento e a triagem dos pacientes que procuravam as unidades durante o pico da pandemia, com o intuito de diminuir a disseminação do vírus.

De acordo com a secretaria, durante o pico, no dia 4 de maio, foram realizados 138 atendimentos nas três unidades. Pouco mais de um mês após, o número de atendimento é de aproximadamente 30 atendimentos.

“Com base no plano que foi estabelecido, observamos durante os 18 dias posteriores ao início da reabertura gradual das atividades, em 1º de junho, o comportamento dos dados epidemiológicos e da curva de casos e mortes por Covid-19. Ao constatarmos que estes números têm apresentado queda, decidimos encerrar o funcionamento das tendas e iniciar a retirada das câmaras frigoríficas”, justificou a secretária de Estado de Saúde, Simone Papaiz, por meio de nota.