Os novos ônibus articulados já estão rodando em Manaus e atendem, principalmente, usuários das zonas Norte e Leste da capital. A população aprovou, mas ainda reclama dos demais veículos em péssimas condições.

No início dos mês, os coletivos estavam circulando pela cidade em fase de testes. Poucos usuários do sistema de transporte coletivo de Manaus têm razões para pagar feliz a tarifa de R$ 3,80.

Estrutura do ônibus

O modelo Marcopolo Viale BRT, da marca Volvo B340M, possui 21 metros de comprimento, são confortáveis, têm ar-condicionado, são monitorados por quatro câmeras de segurança e transportam até 180 passageiros sentados. O mesmo modelo é usado na cidade do Rio de Janeiro.

A empresa Eucatur pretende entregar mais 18 ônibus do modelo para substituição dos coletivos antigos, que não agradam aos passageiros, mas a ação ainda está em andamento.

Falta mais

Moradores de todas as zonas da cidade reclamam da estrutura dos ônibus, pois os serviços prestados pelas empresas de transporte coletivo na capital não agradam. Embora haja a solução dos novos articulados, algumas áreas da cidade não podem usufruir do serviço da linha, pois circulam pelas zonas Leste e Norte até o bairro Centro, Zona Sul da cidade.

O calor no interior dos veículos é apenas uma das reclamações, o que torna a viagem mais cansativa. Outro fator é a demora, os horários da circulação dos veículos contribuem para a lotação e a procura por alternativas. Afim de tornar a viagem mais rápida, os passageiros optam pelos coletivos que transitam na faixa azul, localizadas nas principais vias da cidade.

Outra insatisfação dos passageiros são os “ônibus no prego”. O usuário precisa descer do veículo e esperar na via que outro ônibus faça o mesmo trajeto. Além do constrangimento, quem paga pela fatura atrasa os compromissos e corre riscos com os assaltos nos coletivos. 

Apesar dos dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), mostrando a redução de 12,5% nas ocorrências de

roubos em coletivos em Manaus, no primeiro semestre de 2019, os usuários enfrentam diariamente o medo da ação de assaltantes no interior dos veículos.

O Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) informa que a meta é aumentar, até setembro de 2019, o número de ônibus deste modelo.

Fonte: Em Tempo

Leia também: