A cantora Anitta se pronunciou através das redes sociais após um motorista de aplicativo declarar que a passageira usava um “short tipo Anitta”, na tarde desta terça-feira (18).

“Quanto à menina estar usando um short “tipo Anitta”, pra mim significa que ela é independente, não tem medo de ser quem ela quer e, acima de tudo, bem inteligente pra denunciar e expor um assediador para que outras meninas não passem pelo mesmo que ela”, disse Anitta.

A Polícia Civil abriu investigação contra André Lopes Machado, de 43 anos, que foi banido da Uber após supostamente assediar uma adolescente em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Na tarde desta terça, o motorista prestou depoimento na Delegacia da Mulher. Na saída, ele falou com jornalistas.

“Mas ela estava com um short do ‘tipo Anitta’, uma mini blusa, com as pernas abertas no banco, me chamando atenção”, completou André.

A jovem, que tem 17 anos, gravou o vídeo no domingo (16), quando ia para a casa de uma amiga.

Saiba mais:

[Vídeo]: Uber bane motorista que assediou jovem durante corrida; “faria coisas que seu pai não faria”

“Ele começou a fazer elogios. Dizendo que eu era a passageira mais bonita que ele tinha pego, que geralmente só entrava gente feia”, conta a jovem.

“NADA justifica um assédio. A forma de se vestir, sentar, falar etc não significa qualquer autorização ou pedido ou convite a ser assediada e/ou invadida, abusada, estuprada etc”, escreveu Anitta.

A delegada responsável pelo caso, Marina Dillenburg, disse não ter todas as provas para finalizar o inquérito policial de que é alvo André, mas afirmou que ele “muito provavelmente” vai ser “responsabilizado por perturbação da tranquilidade”.

“Muito provavelmente, sim [vai ser responsabilizado], porque temos os vídeos que são uma prova bem forte em relação a isso. Mas ainda há elementos a serem considerados. A princípio será responsabilizado, por perturbação da tranquilidade. Se conseguirmos tipificar a conduta dele com outras vítimas e coisas mais graves, ele vai ser indiciado”, explicou a delegada.

Segundo ela, o homem nega ter cometido assédio.