(Foto: Jimmy Geber 20/10/18)

Diarreia persistente, dores abdominais, náuseas, vômito, dor, sangue e muco nas evacuações são sinais de alerta para Doenças Inflamatórias Intestinais (DIIs). Os pacientes com esses sintomas ganham, até o dia 6 de junho, a chance de realizar exames e consultas com especialistas durante o 1º Mutirão de Doença Intestinal Inflamatória.

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) é parceira da ação do Grupo de Estudos da Doença Inflamatória Intestinal do Brasil (Gediib), em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Ao todo são 150 vagas disponíveis.

Os pacientes que apresentam esses sintomas devem procurar até o dia 6 de junho, uma Unidade Básica de Saúde (UBS) perto de casa, para relatar a suspeita. No local, os profissionais preenchem uma ficha-padrão para a identificação do índice de sinais de alerta para diagnóstico da Doença de Crohn e dos critérios para seleção de pacientes para Retocolite Ulcerativa. As duas doenças serão atendidas no mutirão, segundo explicou a gastroenterologista da Susam e membro da diretoria do Gediib, Déborah Botelho.

“São três fases. A primeira é feita nas UBS e nos Prontos-Socorros, com o preenchimento dessa ficha. O profissional, identificando que o paciente pode ter uma das duas doenças atendidas no projeto, já o encaminha para o mutirão. Em posse da ficha, o paciente deve procurar os ambulatórios para agendar o atendimento”, reforçou a médica.

Encaminhamento

Com a ficha, o paciente deve procurar o Núcleo de Regulação Ambulatorial (Nira) do Ambulatório Araújo Lima, na Rua Afonso Pena, nº 691, bairro Praça 14, zona sul, ou da Policlínica Codajás, na Avenida Codajás, nº 26, bairro Cachoeirinha, também na zona sul, onde serão realizados os mutirões.

No projeto, os pacientes passam pela avaliação de gastroenterologistas ou proctologistas, conforme o caso. Os profissionais repassam o diagnóstico e/ou encaminham para a realização de exames de imagem e laboratoriais, que serão oferecidos pelo mutirão.

“Um oportunidade única para os pacientes, de identificar casos ainda não diagnosticados e não confirmados de Retocolite Ulcerativa e Doença de Crohn. É uma chance para que os portadores recebam o tratamento e o acompanhamento ambulatorial já com o diagnóstico correto”, disse a especialista da Susam.

No Amazonas, a Policlínica Codajás e o Ambulatório Araújo Lima são referências na área.

As DIIs

As doenças inflamatórias do intestino incluem duas enfermidades crônicas – a Doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa – que causam inflamação crônica e recorrente nos intestinos delgado e/ou grosso. As doenças não têm cura, mas, quando detectadas na fase inicial, reduzem as chances de evolução, oferecendo qualidade de vida ao paciente e evitando internações, cirurgias e sequelas graves.

Fonte: D24AM

Leia também: