A Corregedoria Geral da Secretaria de Segurança Pública (SSP) vai instaurar um procedimento administrativo para avaliar a conduta do delegado da Polícia Civil Roger Makimoto, que foi preso em flagrante na noite desta sexta-feira por policiais militares. Ele foi preso por agressão física e injúria contra a sua companheira, uma mulher de 30 anos de idade.

+
PI: Prefeito morre vítima de coronavírus aos 57 anos

O delegado agressor foi levado para a Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM) onde foi enquadrado na Lei Maria da Penha por violência doméstica, agressão física e calúnia. Depois de ter pago fiança no valor de R$ 2 mil, ele foi liberado.

De acordo com Boletim de Ocorrência (BO), o crime aconteceu por volta das 22h30. A vítima contou aos policiais que vive há três anos com o delegado e ontem ele saiu para beber com amigos. Depois das 22h, ela foi buscá-lo no bar, pois temia que ele retornasse embriagado dirigindo o seu carro.

+
Sobe para 111 número de casos confirmados do novo coronavírus, no AM

Chegando ao local, a vítima encontrou o companheiro com uma mulher que seria a sua amante. Ela , então, relatou ter chamado o delegado para que entrasse no carro e o mesmo entrou. A vítima disse que ela passou a falar sobre traição e disse que o companheiro merecia ser traído, já que gostava tanto de trair. Irritado, o delegado, segundo relatou a vítima, passou a agredí-la. Um dos socos atingiu o supercílio esquerdo da vítima que começou a sangrar .

A mulher pediu socorro a policiais que passavam pelo local, que prenderam o delegado em flagrante e levaram a mulher para o SPA Danilo Corrêa. Na delegacia ele aparentava estar embriagado, mas não ofereceu resistência. Ele também não quis depor, afirmando que só o fará em juízo. 

(Joana Queiroz – A Crítica)