(Foto: Reprodução)

Manaus – A Prefeitura de Manaus informou que, devido ao aumento no número de sepultamentos realizados no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, localizado no bairro Tarumã, zona oeste, a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) adotou o sistema de trincheiras, para realizar o enterro das vítimas de Covid-19. A metodologia, já utilizada em outros países, preserva a identidade dos corpos e os laços familiares, com o distanciamento entre os caixões e com a identificação das sepulturas.

Um vídeo que circula pela internet mostra imagens de uma máquina escavadeira, cavando as trincheiras e depois a própria escavadeira jogando terra em uma vala com vários caixões. Outro vídeo mostra vários carros de funerária no cemitério do Tarumã.

A Semulsp informou ainda que foram instaladas duas câmaras frigoríficas no cemitério. A medida serve para atender o serviço SOS Funeral, que é o único serviço gratuito disponível para quem quer enterrar seus entes queridos sem custos. As câmaras são utilizadas para o armazenamento dos caixões, enquanto os familiares aguardam o momento do enterro, sem a necessidade do veículo do SOS Funeral ficar aguardando a liberação, já podendo retornar à base para um novo chamado, dando maior agilidade ao serviço.

A prefeitura também informou que com o aumento na demanda para enterrar vítimas da Covid-19 no cemitério do Tarumã, alguns conflitos de familiares das vítimas e imprensa foram registrados. Por conta disso, o acesso ao local está restrito às famílias que forem enterrar os seus entes queridos, na quantidade máxima de cinco pessoas, conforme o Decreto nº 4.801, de 11 de abril de 2020, publicado no Diário Oficial do Municipal (DOM).

A medida visa preservar a privacidade das famílias e também evitar a propagação do novo coronavírus.