Dezenas de funcionários da saúde que atuam no Hospital de 28 Agosto, em Manaus, protestaram em frente à unidade de saúde na manhã desta segunda-feira (27). Um trecho da Avenida Mário Ypiranga chegou a ser interditado. Os manifestantes relatam falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para todos as equipes, sobrecarga de trabalho e cobram, ainda, auxílio insalubridade e melhorias na alimentação.

O ato reuniu, principalmente, enfermeiros e técnicos de enfermagem, profissionais que atuam na linha de frente no combate ao Covid-19. Até a sexta-feira (24), segundo o Governo do Estado, havia 477 profissionais confirmados com a doença e dez mortes. No Amazonas, a doença afeta mais de 3,6 pessoas.

Durante o protesto, os manifestantes carregavam faixas com reivindicações e pedidos se ajuda: “A enfermagem pede socorro”, Descaso com a Saúde”.

Eles, também, fizeram um minuto de silêncio para homenagear profissionais da saúde infectados e que morreram em razão da Covid-19.

“Precisamos de mais equipamentos para a nossa proteção. Temos colegas que já foram a óbito aqui”, disse um enfermeiro.

Segundo os participantes, o ato ocorreu após o fim do plantão.

Entre as reclamações estão também:

  • Aglomeração no ponto eletrônico de registro de trabalho e falta de falta de álcool gel próximo ao ponto eletrônico;
  • Ticket alimentação; alguns trabalharam não receberam;
  • Distribuição de máscaras N95 para todos os funcionários dos setores, inclusive para maqueiros e serviço de limpeza;
  • Horário de liberação de EPI;
  • Melhorias na alimentação;
  • Refeitório sem descartáveis apropriados;
  • Grupo de risco sem afastamento;
  • Escala defasada;
  • Falta de Tamiflu, medicação no tratamento da Covid;
  • Sobrecarga de trabalho;
  • Falta de material nas clínicas, aparelho de pressão, dextro, oxímetro, gasômetro e lixeiras apropriadas para descartar material utilizado com pacientes
  • Que setor de Nutrição faça a entrega de alimentos.

Saúde prestes a entrar em colapso

A taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública de saúde do Amazonas chegou a 96%, segundo dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), na quinta-feira (23), durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo a secretaria, o estado tem 222 leitos de UTI para atendimento de pacientes com Covid-19.

O Amazonas registrou mais 198 casos de Covid-19, neste domingo (26), totalizando 3.833 casos confirmados do novo coronavírus no estado, segundo boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). Também foram confirmados outros 17 óbitos pela doença, elevando o total de mortes para 304.