Manaus – Três servidoras da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), de nomes não divulgados, sendo uma de 53, outra de 44 e  uma 35 anos, foram presas, em bairros distintos da capital, durante a operação ‘Risco Iminente’, deflagrada nesta segunda-feira (22). Elas estão supostamente envolvidas em esquema de corrupção que beneficiava estabelecimentos comerciais com irregularidades. Além das servidoras, alguns comerciantes foram indiciados por corrupção ativa.

Segundo o delegado titular da 5ª Seccional Centro-Sul, Rafael Allemand, as servidoras municipais visitavam estabelecimentos comerciais e, quando encontravam alguma irregularidade, cobravam uma espécie de propina, que variava de R$ 1 mil a R$ 6 mil, permitindo a continuação dos serviços no local. As investigações iniciaram em fevereiro deste ano.

Três servidoras foram presas suspeitas de cobrança de propina de estabelecimentos irregulares (Foto: Divulgação)

“Elas visitavam alguns estabelecimentos comerciais, os que não estavam de acordo com as requisições legais, elas iniciavam um tipo de autuação, mas, em troca de um pagamento de propina, o estabelecimento não era autuado”, explicou.

Além de não autuarem devidamente o estabelecimento, as servidoras atuavam em uma espécie de “defesa administrativa”. “Uma vez o estabelecimento comercial autuado por outro fiscal, elas atuavam em uma defesa administrativa desse estabelecimento. Por isso, elas também serão indiciadas por advocacia administrativa”, disse o delegado.

Allemand afirmou que os nomes dos investigados nessa primeira fase da operação não serão divulgados para não atrapalhar a continuação das investigações, pois ainda há outros envolvidos a serem ouvidos. De acordo com o delegado, um familiar de um servidor foi preso temporariamente.

“Além de servidores, há envolvimento de proprietários de estabelecimentos comerciais que efetuavam pagamento de propina. Quatro pessoas já foram indiciadas pelo crime de corrupção ativa, tendo em vista que pagaram a propina para não serem autuadas”, acrescentou.

Conforme o delegado, inicialmente, as servidoras serão indiciadas por corrupção passiva e ativa, associação criminosa, advocacia administrativa e tráfico de influência. Elas serão encaminhadas ao Centro de Detenção Provisória Feminina (CDPF).

Leia também:

Nota

Em nota, Semsa informou que tomou conhecimento, nesta segunda-feira (22), da prisão de servidoras da Visa Manaus. Ao saber do teor dos crimes investigados pela Polícia Civil, o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, determinou instauração de processo administrativo disciplinar para apurar no âmbito da Semsa as denúncias.

O procedimento respeitará os ritos administrativos e o direito à ampla defesa. As servidoras serão demitidas a bem do serviço público, se os crimes forem comprovados, conforme previsto no Estatuto do Servidor Público Municipal de Manaus.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, manifestou preocupação com as prisões e declarou que “todo indício de má conduta de servidor que não condiga com os princípios do serviço público deve ser rigorosamente apurado e as providências cabíveis tomadas de maneira exemplar”.

( Stephane Simões / Diário)