Itacoatiara (AM) – O suposto vidente Edson Glauber de Souza Coutinho, que afirma ter tido visões de Nossa Senhora Rainha da Paz em Itapiranga (a 360 quilômetros de Manaus) quer uma indenização de 100 milhões de reais da Prelazia de Itacoatiara. O processo é movido por Edson e seus pais, Protógenes Gabriel da Costa Coutinho e Maria do Carmo Carvalho de Souza Coutinho, no TJAM (Tribunal de Justiça do Amazonas).

A família alega quebra de contrato da Igreja Católica para a construção de uma igreja no local onde Edson Coutinho alega ver a santa. O contrato teria sido firmado entre o casal e o bispo de Itacoatira, dom Carillo Gritti, morto em 2016. O Vaticano não reconhece a aparição da santa.

Na segunda-feira, 8, a Arquidiocese de Manaus orientou a comunidade católica a evitar a celebração pelos 25 anos de aparição da santa, data comemorada pelo vidente e sua família. O alerta gerou polêmica nas redes sociais.

Ao Portal Beiradão, a Assessoria de Comunicação da Arquidiocese da Manaus confirmou que o “Alerta” não se trata de “fake news” e que no dia 4 de abril, a Igreja Católica enviou sua defesa ao Tribunal. Segundo a assessoria, a Prelazia de Itacoatiara não tem uma estrutura de assessoria jurídica robusta, por isso conta com o apoio incondicional da Arquidiocese de Manaus e todo o seu corpo de juristas.

Em nota, o bispo de Itacoatiara, José Lonilton Lisboa, lamentou a atitude da família, que, segundo ele, “usa o nome de Nossa Senhora por dinheiro fácil”. José Lisboa pediu aos católicos que cumpram decreto do Vaticano de não participar ou mencionar o culto à santa em Itapiranga. “Determino que nenhum católico ou católica, que queira manter a comunhão com a Igreja Católica Apostólica Romana, frequente este lugar”, afirmou o bispo, na nota.

Dom Sérgio Castriani, arcebispo metropolitano de Manaus, não se manifestou sobre o processo.

Confira o espelho do processo:





Bispo alerta católicos a não participarem de eventos alusivos aos 25 anos de supostas visões