O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal cumprem, nesta terça-feira (30), mandados de busca e apreensão, além de 8 prisões temporárias em diversos endereços no Amazonas. A operação tem ligação com investigação relacionada à compra de respiradores artificiais durante a pandemia.

O governador Wilson Lima (PSC) é um dos alvos. As medidas foram determinadas pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e incluem o bloqueio de bens no valor de R$ 2,9 milhões.

Busca e apreensão

O governador é alvo de buscas e bloqueio de bens. São apuradas suspeitas de corrupção ativa e passiva, compra superfaturada, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, peculato, delitos da lei de licitações, e crimes contra o sistema financeiro.

A investigação apura a atuação de uma organização criminosa instalada com o objetivo de desviar recursos públicos destinados a atender as necessidades da pandemia de Covid-19.

Os investigadores identificaram compras superfaturadas de respiradores, direcionamento na contratação de empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados.

Esquema

No esquema identificado pelo MPF e pela PF, o Governo do Estado comprou, com dispensa de licitação, 28 respiradores de uma importadora de vinhos. Neste contrato a suspeita de superfaturamento é de, pelo menos, R$ 496 mil.

Os equipamentos vendidos pela importadora foram adquiridos de uma empresa fornecedora de equipamentos de saúde por R$ 2,480 milhões e revendidos, no mesmo dia, por R$ 2,976 milhões.