Foto: reprodução/internet

Os mais de 300 professores que participaram da assembleia geral organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), na tarde desta terça-feira (9), decidiram entrar em greve a partir da próxima segunda-feira (15). A Assembleia aconteceu na quadra do Rio Negro Clube, no Centro de Manaus

O grupo, de acordo com a presidente do Sinteam, Ana Cristina Rodrigues, vai organizar o ato de forma legal para que a greve seja iniciada na próxima semana. “O próximo passo é fazer tudo conforme a lei, avisar os pais. A partir de hoje estamos em estado de greve, mas até lá estamos abertos a negociação. Só o governador pode mudar essa decisão, caso aceitem as nossas condições de 15% de reajustes”, afirmou.

Os profissionais associados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) reivindicam 15% de reajuste salarial na campanha da data-base 2019, enquanto o Governo do Estado oferece 3,93%.

Um grupo de estudantes fez um protesto contra a greve dos professores, na tarde desta terça-feira (9), durante a assembleia geral da categoria.

Os cerca de 20 estudantes, que fazem parte de uma comunidade da Zona Leste da capital, entraram no local, antes da deliberação pela paralisação, com megafone falando que não aceitavam a greve. “A gente não aceita isso. Nós sabemos a nossa realidade e não queremos ficar sem aula”, disse um dos representantes do grupo, Luan Patrono, líder comunitário representante do Grêmio Estudantil do Mutirão.

O manifesto gerou confusão no local, pois alguns professores alegaram que o grupo isolado foi plantado para gerar o conflito e atrapalhar as pautas da reivindicação. Assim como os trabalhadores da educação, outros representantes estudantis se posicionaram contrários ao ato isolado.

“A gente é a favor da greve junto com os professores, pois é uma vergonha o que estão oferecendo”, disse Lucas Pinheiro, presidente da União Estadual dos Estudantes do Amazonas (UEE).